Metodologia e cronograma de atividades

Segue aqui, como prometido, a metodologia de trabalho do projeto, quase inalterada desde sua concepção. O texto é o mesmo do pré-projeto que foi avaliado pela banca do magistrados.

Para atingir os objetivos do estudo, será realizado inicialmente um levantamento bibliográfico na leitura específica sobre elementos de design (como já apontado anteriormente), que fora do universo dos elementos visuais tradicionais do bar, agregam novos valores à identidade de determinado estabelecimento, tornando cada “boteco” único, como que lhe infundindo sua “alma própria”.
Num segundo momento, mediante especificidades do projeto, se faz necessária uma breve pesquisa histórica sobre os botecos da região apontada, para que se faça uma comparação e análise sobre suas características visuais. Aqui será traçado um perfil do que, em São Paulo, considera-se como um “boteco”, através dos vários elementos visuais, pertencentes ou não ao design, utilizados na construção do ambiente e presentes na rotina do bar.
Pelas características deste trabalho, trilharemos o caminho metodológico da pesquisa qualitativa, mediante o estudo de caso com ênfase na pesquisa-ação devido ao caráter participativo e intervencionista do estudo.
A pesquisa contará com observação, interpretação, classificação e síntese. Busca-se aqui, além de analisar os elementos visuais definidos na primeira fase, descobrir novos aspectos da caracterização do boteco que tenham escapado à bibliografia pesquisada. Para tanto, uma rotina de observação, análises, revisões e sínteses serão empregada, a fim de captar todos os detalhes que possam ser importantes para as fases seguintes e para o cumprimento dos objetivos. Visam estabelecer um embasamento teórico sobre a temática e subsidiar os conceitos fundamentais necessários para a análise de resultados.
Posteriormente, serão escolhidos botecos característicos de outras regiões da cidade de São Paulo, que serão estudados utilizando-se do mesmo método da fase anterior. Ao fim desta análise, será traçada a relação entre a identidade visual dos estabelecimentos dessas regiões com a dos estabelecimentos da Vila Madalena, e destes todos com a própria cidade de São Paulo. Essa relação se dará dentro dos termos analisados, explicitando e dissecando todos os aspectos da construção da identidade do boteco paulista por meio dos elementos que podemos classificar como pertencentes ao design.
Por fim, será feita a redação final da projeto, seguida pela elaboração do projeto gráfico e formatação final da apresentação da pesquisa.

O cronograma, porém, sofreu algumas alterações, algumas devido às dificuldades encontradas no início, outras foram mais questão de melhor organização de tarefas ou mudança de foco. Por exemplo, no início eu planejava todo um levantamento em campo sobre a Vila Madalena, com os mesmos objetivos do levantamento bibliográfico. Porém, sob forte recomendação da minha orientadora, mudei o objetivo e deixei os meses da pesquisa de campo apenas para os bares, para não arriscar perder o foco. Agora todo o levantamento sobre a região que trata de assuntos alheios aos botecos será feito por meio de pesquisa bibliográfica. Ainda sobre o campo, inicialmente o plano era focar na Vila, pesquisando todos os bares. Mas logo no início da pesquisa notei uma clara separação entre os bares antigos, clássicos e os mais recentes, o que mudou o foco de todo o projeto. Falarei mais sobre isso adiante, pois essa questão é um aspecto-chave do projeto atualmente. Enfim, segue o cronograma atual:

Etapa 1: Revisão bibliográfica e elaboração de critérios de pesquisa.
Pesquisa bibliográfica em publicações que tratam do assunto proposto na pesquisa, definição dos critérios e princípios de design a serem utilizados nas fases posteriores.

Etapa 2: Pesquisa de campo: Botecos tradicionais.
Pesquisa de campo nos botecos tradicionais de São Paulo. Nesta etapa serão visitados bares da cidade que por sua história ou características marcantes se tornaram ícones da cultura de botequim paulistana. Essas visitas servirão para uma observação prévia das características de cada lugar, que resultará, numa etapa posterior, nos critérios que serão seguidos para uma análise mais detalhada e a elaboração de uma pauta para entrevista com donos e gerentes dos estabelecimentos. Essa etapa servirá também para uma filtragem da quantidade de lugares a serem visitados, mantendo-se somente aqueles que tiverem maior relação com os objetivos do projeto.

Etapa 3: Pesquisa de campo: novos bares.
Pesquisa de campo nos novos botecos da cidade, com foco na região da Vila Madalena, seguindo os mesmos princípios da Etapa 2. Os bares a serem visitados serão selecionados, inicialmente, segundo estes critérios: 1.  Apresentar-se, na sua marca, ambientação ou comunicação, como boteco; 2. Ter sido fundado há aproximadamente 10 anos; 3. Possuir um projeto de design de identidade e espaço. Assim como na etapa anterior, será realizada uma filtragem dos bares aqui visitados para uma análise mais detalhada posteriormente.

Etapa 4: Pesquisa de campo: Botecos tradicionais (retorno).
Neste momento, os botecos selecionados durante a Etapa 2 serão novamente visitados, para uma análise detalhada de sua ambientação e outras características, visuais ou não, pertinentes ao design. Entrevistas com os donos, gerentes ou funcionários serão realizadas com o objetivo de descobrir como foi construído o espaço do bar e quais foram as soluções utilizadas e as transformações sofridas por esse espaço desde o nascimento do lugar até os dias atuais. Outro objetivo é situar o bar em relação a si próprio e à região onde está inserido dentro da cidade de São Paulo, traçando a ligação destes dois com a própria cidade, histórica, cultural, social e politicamente.

Etapa 5: Pesquisa de campo: novos bares (retorno).
Segunda visita aos bares selecionados durante a Etapa 3, com o mesmo foco de análise, adicionando as entrevistas com donos e, se, possível, o designer e/ou arquiteto responsável pelo projeto de identidade e construção do ambiente do bar, o que possibilitaria um maior detalhamento e aprofundamento no processo de construção dessa identidade.

Etapa 6: Redação final.
Redação final e revisão do texto.

Etapa 7: Formatação e projeto gráfico.
Desenvolvimento do projeto gráfico da apresentação final da pesquisa.

O objetivo da pesquisa de campo é estabelecer a ligação entre o que se entende por “boteco”, ou seja, a identidade construída e estabelecida por esses botecos tradicionais (e muitos outros que não sobreviveram até o presente momento) empiricamente, sem um planejamento ou projeto, e os novos bares, que constroem, por meio de um projeto de arquitetura e/ou design, toda uma identidade e uma ambientação que tenciona evocar uma atmosfera de nostalgia e que, invariavelmente acaba no retrô, em oposição aos antigos botecos, onde essa ambientação é autêntica, original.  Tornou-se, então, objetivo principal deste projeto analisar esses dois casos, da identidade construída pelos autênticos e a busca dos  novos por esse identidade. Há entre esses dois extremos um meio-termo, o caso dos bares que, mesmo fazendo parte deste grupo de novos, forma acolhidos pela região onde se estabeleceram e por seus freqüentadores, como botecos  propriamente ditos, estando assim, num lugar de destaque nesse cenário.

About these ads

Tags: , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: